Falar de sexo com os filhos


Falar de sexo com os filhos
Oswaldo M. Rodrigues Jr.
Instituto Paulista de Sexualidade – http://www.oswrod.psc.br

Psic. Oswaldo M. Rodrigues Jr. - InPaSex


Em nossa cultura falar de sexo é sempre complicado. Falar de sexo com os filhos… mais ainda.
A vida sexual pertence a um mundo particular, da esfera da vida privada das pessoas. Claro que isto também se refere a pais e filhos, relacionamento onde falar de sexo parece ser muito complicado para as pessoas em nossa cultura e neste momento histórico. Nunca foi fácil falar com filhos sobre sexo e ainda deve demorar um bom tempo para que isto se formalize de modo tranquilo e útil para os pais e para os filhos.
Não é comum filhos receberem instrução sobre a vida sexual a partir dos pais. O primeiro problema desta falta é exatamente os pais não terem certeza do que devem ou podem falar aos filhos, e muito menos tiverem eles mesmos um processo educativo e informativo sobre a sexualidade. Não sabendo o que falar, temem prejudicar mais ainda o desenvolvimento da sexualidade dos filhos.
Nossa cultura ocidental tem deixado para a escola, nas vozes dos professores, a tarefa de apresentar às crianças e adolescentes as respostas aos questionamentos sobre sexualidade. Em alguns momentos e em alguns lugares, sob esforços de algumas escolas, na maior parte das vezes com auxílio de outros profissionais de saúde, em especial psicólogos, tem ocorrido uma educação sexual afetiva e efetiva que auxilia os adolescentes a compreenderem-se sexualmente. É bem verdade que muitas vezes as escolas buscam na voz de algum profissional de saúde “aulas de educação sexual” que apenas se apresentam como fatores de ansiedade aumentada para os adolescentes quando se lhes apresentam os problemas do exercício da sexualidade: gravidez e doenças sexualmente transmissíveis… pobres adolescentes ouvindo o que de terrível acontece com algumas pessoas e deixando de ouvir o que eles querem saber e o que de bom pode vir desta coisa que deveria conduzir à saúde sexual.
Aos pais caberia, e no futuro quando existirem pais preparados, conversar de modo direto e afetivo, sem rodeios e apresentando as várias facetas da sexualidade.
Aos filhos, quando recebem informações, apoio e condições de compreenderem as possibilidades que advém do exercício da sexualidade, permite-se que cheguem à possibilidade da saúde sexual. Esta saúde sobre a sexualidade cada vez mais se impõe, pois será o resultado de uma saúde física, de uma saúde mental e de uma saúde social. Falar constantemente de sexo conduzirá à possibilidade da saúde sexual, com um sentimento de felicidade e bem estar compatíveis apenas com a saúde sexual.
Os pais precisam compreender que os filhos iniciam as curiosidades e preocupações com o que denominamos de sexo desde os primeiros anos de vida. Seus questionamentos iniciam-se com o poder da linguagem. Ao poderem perguntar, já perguntarão sobre sexo, da mesma forma que perguntam de todas as coisas.
Aos pais cabe responder compreendendo como a criança, de cada idade, é capaz de aprender o que eles falam.
Ainda vivemos uma fase onde os pais temem muito falar o que “não devem”, esquecendo-nos de que precisamos aprender o assunto e a forma de falar de acordo com a idade dos filhos.
Os pais não devem mentir, nem se omitir de falar abertamente sobre sexo, em especial quando perguntados pelos filhos. A pena para ambos será da falta de confiança. Um filho que não ouve uma resposta ao que pergunta, não tornará a perguntar a este pai: aprendeu que este não é um tema que o pai se dispõe a falar… e crianças aprendem depressa…
Ao escondermos, ou omitirmos, nos tornamos omissos em instruir crianças, desde que aprendem a falar, produzimos crianças cada vez mais curiosas em querer saber o que é isso que tanto se esconde delas… e como é isso de “fazer sexo”, sendo que desde cedo, por observação, compreendem que é assim que se fazem os bebês… então teremos meninas adolescentes engravidando para saberem ser capazes de terem filhos, e meninos querendo provar que também são capazes de inseminar alguém…
Todos os problemas enfrentados pelos adolescentes e adultos sobre as questões da sexualidade serão produto da falta de diálogo entre pais e filhos sobre sexo. Desde gravidez na adolescência, doenças sexualmente transmissíveis, problemas com o desempenho sexual (disfunções sexuais no homem e na mulher), sofrimentos emocionais que não facilitarão aos adolescentes compreenderem sentimentos e desejos relacionados a sexo. E alguns adolescentes, sentindo-se incapazes de administrar as dúvidas geradas a partir da sexualidade chegam a buscar no suicídio a salvação do sofrimento que vivem…
Os pais tem pouca influência sobre o comportamento adolescente, uma vez que esta fase de desenvolvimento na cultura ocidental atual é marcada de buscar uma identidade que os separa dos pais, diferenciando-os como indivíduos.
Porém, sem a participação continuada dos pais, os adolescentes mais se distanciarão, até que se cumpram na finalidade de uma identidade diferenciada. A maioria, ao adultecerem-se, após os 20 anos (alguns antes, e muitos bem depois), estarão se comportando de modo muito semelhante aos pais… e com certeza repetindo aos filhos os mesmos erros sobre a educação para a sexualidade.
Conversar com os filhos sobre sexo choca mais aos pais, ou tão somente aos pais.
Primeiro os pais precisam se instruir. Eles têm que saber quais são as limitações pessoais, morais e éticas que tem. Ao reconhecerem este passo poderão buscar instrução para si mesmos. Somente depois conseguirão treinar-se para terem uma verbalização assertiva, de modo afirmativo e que contenha emoções coerentes com que estão falando.
Falar de sexo precisa ocorrer quando se mostrar necessário… de nada adianta esperar um dia ou dois anos por acharem que deve ser assim. Este é o engano maior que os pais comentem e seguirão cometendo por terem crenças errôneas sobre sexo e sobre como dialogar com os filhos sobre sexo.
Então, procure saber mais sobre sexo, conheça e reconheça suas dúvidas e encare seus mitos sobre sexo! Prepare-se para mudar e ajude seus filhos a serem mais felizes!

Anúncios

Sobre Psic. Oswaldo M. Rodrigues Jr.

Psychologist and sex and couple´s therapist at Instituto Paulista de Sexualidade www.inpasex.com.br Psicólogo e Psicoterapeuta Sexual e decasais do Instituto Paulista de Sexualidade www.oswrod.psc.br
Esse post foi publicado em educação sexual. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s