Poder afrodisíaco


Poder afrodisíaco
Psic. Oswaldo M. Rodrigues Jr.

Psic. Oswaldo Rodrigues Jr - http://www.oswrod.psc.br


Historicamente o poder sobre as outras pessoas sempre permitiu que o poderoso satisfizesse mais necessidades de modo mais fácil do que os outros. A satisfação sexual de poderosos pode ser encontrada em todas as culturas, às vezes de modo institucionalizado, como foi no Império Romano e na Idade Média, na Europa com o “jus primae nocti”, a lei da primeira noite, permitia ao rei, príncipe ou dono das terras a primeira relação sexual com a noiva num casamento dentro das terras de sua propriedade.
A cultura ocidental está permeada de exemplos onde o que tem o poder pode abusar sexualmente do outro. A iniciação sexual do adolescente de classes altas com a empregada… o “teste do sofá” para atrizes…
O poderoso político norte-americano Henry Kissinger teria usado a expressão “Power is the ultimate aphrodisiac”, o poder é o maior afrodisíaco (The New York Times, 28 de outubro de 1973). Aparentemente este político poderoso tinha preferencias sexuais mais extremadas do que o restante da população… e não se importou de ser conhecido por esta frase! E ele não foi o único poderoso das últimas décadas a aparecer em situações de imposição sexual com o poder que tinham…
Mas estamos numa época de busca de mudanças sociais e de conceitos e valores morais, regras de condutas sexuais.
Pessoas em situações sociais de poder imporem-se a outras que não desejam o contato sexual passou a ser ilegal e imoral. Assim temos o assédio sexual institucionalizado.
Mas será que a situação de imposição de poder para obter prazer sexual deixa de existir? Deixará de existir?
De onde vem esta necessidade de impor-se poder para ter o prazer sexual?
São dois aspectos que precisam ser observados:
– o bem estar advindo do exercício do poder
– características psicológicas que podem ser exercidas sob o poder e direcionando-se a comportamentos sexuais
O primeiro é mais comum. O bem estar é compreendido como parte integrante associado à saúde sexual. Quanto maior o bem estar, mais facilmente o sexo é expresso de modo coerente. Sem o bem estar geral (físico/biológico, mental/emocional, e social/ambiental) a expressão sexual é comprometida conduzindo a problemas sexuais. Em situações de poder mais benefícios secundários se obtém e assim mais bem estar, e isto facilita e conduz a melhores expressões sexuais. Combina com sexo! Os sucessos que cada um de nós tem em nossas vidas e atividades é semelhante ao poder e sempre nos conduz a melhorias sexuais!
O segundo aspecto é mais complicado. Algumas características de personalidade se associam a determinadas formas de liderança, de poder. Pessoas mais centralizadoras, mas autoritárias são mais determinadas por características de personalidade que se extremadas são muito negativas, pois tendem a se impor aos outros, passar por cima das necessidades alheias. Quando isto ocorre consensualmente não existem problemas e se associam a saúde sexual. O problema surge quando a imposição ocorre sem consentimento e se caracterize em abuso e violência sexuais. Na primeira situação podemos ter relacionamentos sadomasoquistas, na segunda é apenas violência e imposição com abuso de poder.
Estas características psicopatológicas não são auto-reconhecidas, nem o foram antes, e quem sabe não serão durante o exercício do poder pela pessoa que produza o abuso sexual. Os excessos ocorrem em determinadas condições, e provavelmente se devem a estresses e ansiedades criadas e associadas ao exercício do poder e a busca da atividade sexual como forma de diminuir as ansiedades e malestares.
Ainda precisamos que as pessoas que atinjam posições de poder compreendam que precisam se conhecer e a suas características que sob pressão se exacerbarão, desencadeando comportamentos e situações que devem atrapalhar o próprio exercício do mesmo poder que será útil aos outros.
Infelizmente o que denominamos de autoconhecimento ainda é visto por muitos como inútil ou desnecessário… e os métodos da psicologia e da psicoterapia ainda são confundidos como algo que só serve para pessoas incapazes. Quando puderem perceber a utilidade destes métodos científicos, serão estas pessoas poderosas mais úteis para si e para os que as circundam.

Anúncios

Sobre Psic. Oswaldo M. Rodrigues Jr.

Psychologist and sex therapist at Instituto Paulista de Sexualidade www.inpasex.com.br Psicólogo e Psicoterapeuta Sexual do Instituto Paulista de Sexualidade www.oswrod.psc.br
Esse post foi publicado em afrodisíacos, comportamento sexual compulsivo. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s