Avaliação de ansiedade em amostra de pacientes com queixas sexuais por meio do Inventário Beck de Ansiedade


Avaliação de ansiedade em amostra de pacientes com queixas sexuais por meio do Inventário Beck de Ansiedade

Diego H. Viviani
Oswaldo M. Rodrigues Jr.
Fernanda Robert de C. S. Silva
Elaine C. Catão
Itor Finotelli Jr.

A revisão da literatura sobre disfunções sexuais demonstra a associação causal entre ansiedade e disfunções sexuais (Althof e cols, 2006). O Inventário Beck de Ansiedade (BAI) é uma escala de auto-relato que descreve a intensidade dos sinais e sintomas de ansiedade, distribuídos em 21 afirmativas avaliadas por uma série escalar individual de zero a três pontos (0=mínimo de ansiedade 3= máxima ansiedade). O escore total é obtido pela soma das pontuações dos itens e varia entre 0 e 63. O escore total permite determinar os graus de ansiedade por pontos de corte: mínimo 0–10; leve 11–19; moderado 20–30 e grave 31–63. O inventário inicialmente foi criado para uso em pacientes psiquiátricos e posteriormente foi validado em populações médico-clínico e não-clínicas. As médias encontradas para as pesquisas médico-clínico foram entre 6,87 (DP=7,98) a 16,47 (DP=7,63) e para as populações não-clínicas 5,10 (DP=3,95) a 15,62 (DP=9,64) (Cunha, 2001).

Este estudo tem por objetivo avaliar o grau de ansiedade em pacientes com queixas sexuais por meio da aplicação do Inventário Beck de Ansiedade.Para este estudo foi utilizada uma amostra de 75 sujeitos atendidos em clínica de psicologia em sexualidade (54 homens e 21 mulheres), com média de idade de 35 anos (DP = 9,64; Idade mínima = 20 anos; Idade máxima = 62 anos), dos quais 32,0% solteiros, 61,3% casados, 6,7% separados; com escolaridade nível superior completo em 83,3% da amostra. Todos os sujeitos apresentavam queixas sexuais: 46,7% disfunção erétil, 25,3% ejaculação rápida, 12,0% inibição de desejo sexual, 8,0% vaginismo, 4,0% anorgasmia e 4,0% inadequação sexual do casal. Os resultados demonstram que a média dos escores dos sujeitos foi 14,64 (DP=11,16), sendo para homens 13,50 (DP=9,64) e mulheres 17,57 (DP=14,22). Ao considerar as médias por queixas sexuais foram encontrados: disfunção erétil 13,80 (DP=10,60); ejaculação rápida 12,95 (DP=7,81); inibição de desejo sexual 16,11 (DP=16,04); vaginismo 12,00 (DP=6,03), anorgasmia 12,67 (DP=9,29) e inadequação sexual do casal 38,00 (DP=7,21).

Os resultados demonstram que a média dos escores dos sujeitos foi 14,64 (DP=11,16), sendo para homens 13,50 (DP=9,64) e mulheres 17,57 (DP=14,22). Ao considerar as médias por queixas sexuais foram encontrados: disfunção erétil 13,80 (DP=10,60); ejaculação rápida 12,95 (DP=7,81); inibição de desejo sexual 16,11 (DP=16,04); vaginismo 12,00 (DP=6,03), anorgasmia 12,67 (DP=9,29) e inadequação sexual do casal 38,00 (DP=7,21). Para os graus de ansiedade, segundo a amostra, os resultados revelaram que 81,5% dos homens estão entre “Mínimo e Leve”, enquanto para as mulheres, esses mesmos graus correspondem a 66,7%.

A maioria dos homens da amostra encontra-se na 2=25,70 para três graus de liberdade ecfaixa leve para o grau de ansiedade ( significância de 0,00%). A amostra feminina não demonstrou nenhuma tendência 2=2,81, para três graus de liberdade e significância de 42,19%).c( Em relação à análise da consistência interna (α Cronbach), os resultados demonstram índice de precisão para a amostra total 0,92 (homens 0,90 e mulheres 0,95). Tais dados demonstram um panorama da média dos escores em população clínica com queixas sexuais similares as médias encontradas em populações médico-clínica e não clínica. Ainda revelam apropriados índices de consistência interna ao apresentar boa precisão na avaliação do grau de ansiedade dessa população. Destaca-se ainda que futuros estudos são necessários para distinguir os principais sintomas segundo o instrumento, característicos de homens e mulheres com queixas sexuais, bem como suas queixas em questão.
Referências bibliográficas
Althof; A; Leiblun, S; Chever-Measson, M; Hartman, U; Levine, SB; McCabe, M; Plaut, M; Rodrigues, O; Wylie, K; Solsona-Narbon, E; Thuroff, D; Vaughan, D; Wirth, M (2006): Psychological and Interpersonal Dimensions of Sexual Function and Dysfunction. J Sex Med, 2, 793-800.
Cunha, JA (2001): Manual da versão em português das Escalas Beck. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Palavras-Chaves: Inventário Beck de Ansiedade; Ansiedade; Disfunções Sexuais; Disfunção Erétil; Ejaculação Rápida
Key words: Beck Anxiety Inventory; anxiety, sexual dysfunctions, erectile dysfunction; rapid

Anúncios

Sobre Psic. Oswaldo M. Rodrigues Jr.

Psychologist and sex and couple´s therapist at Instituto Paulista de Sexualidade www.inpasex.com.br Psicólogo e Psicoterapeuta Sexual e decasais do Instituto Paulista de Sexualidade www.oswrod.psc.br
Esse post foi publicado em disfunção sexual. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s