EJACULAÇÃO PREMATURA: QUANDO O HOMEM PROCURA TRATAMENTO


Oswaldo Rodrigues Jr.; Eduardo Pagani; Maurício Torselli; Daniela Genaro
Instituto Paulista de Sexualidade – GEPIPS – Grupro de Estudos e Pesquisas do InPaSex
Instituto H. Ellis – São Paulo – SP

Psic. Oswaldo M. Rodrigues Jr.


PUC/SP; USP; UNIMARCO;
A queixa de dificuldades ou falta de controle ejaculatório não é a mais comum em consutórios especializados em tratamento de problemas sexuais.
Nos últimos 4000 homens que buscaram o Instituto H. Ellis até 1996, queixando-se de problemas sexuais, apenas 305 (7,6%) não tinham outro problema sexual que não fosse a rapidez descontrolada para ejacular, terminando o sexo
mais rapidamente do que desejavam estes homens. Foram geralmente homens casados ou com parcerias sexuais fixas (89,7%); com idade média de pouco mais de 37 anos (entre 18 e 76 anos); a ejaculação acontecia logo antes
da penetração em 20,2% destes homens. Em 46,5% a ejaculação acontecia durante a penetração vaginal. Demorar até cinco minutos antes de ejacular acontecia em 28,7% dos homens e 4,7% queixava-se e demorava mais de 5 minutos antes de ejacular depois de penetrar.

Uma importante causa para a busca de tratamento para o problema sexual foi a diminuição do prazer sexual sentida por esses homens (69,1%). Este ponto deve diferenciar estes homens dos outros que tem o mesmo comportamento sexual e não buscam ajuda. Com a diminuição do prazer sexual o homem procura de tratar-se.
A falta de controle ejaculatório primário ocorreu em 74,5% dos pacientes. A média de idade para o grupo primário foi de 36,7 anos e para o secundário de 40,7 anos. O tempo de disfunção até procurar ajuda pela primeira vez foi de 17 anos para o grupo primário e 4 anos para o secundário.

Muitos homens já haviam procurado tratamentos anteriores. Foram 97 em 305 ejaculadores precoces. Os tratamentos mostraram-se ineficazes: psicoterapia comum – 23,7%; antidepressivos – 18,6%; anestésicos aplicados ao pênis – 6,2%; neurotomia – 8,2%; associações destes tratamentos – 11,3%;
Um fato muito importante pode ser percebido através do MMPI: não existem diferenças entre as pessoas comuns e um homem com ejaculação precoce.

O homem com ejaculação precoce procura tratamento se estiver com uma parceira sexual fixa, demora muito para se tratar, faz tentativas frustradas e inadequadas de tratamento e não se encaixa nas psicopatologias.

Anúncios

Sobre Psic. Oswaldo M. Rodrigues Jr.

Psychologist and sex and couple´s therapist at Instituto Paulista de Sexualidade www.inpasex.com.br Psicólogo e Psicoterapeuta Sexual e decasais do Instituto Paulista de Sexualidade www.oswrod.psc.br
Esse post foi publicado em disfunção sexual, ejaculação precoce, problema sexual masculino. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s