O sexo oral para as mulheres


Psic. Oswaldo M. Rodrigues Jr. – CRP 06/20610; Diretor do Instituto Paulista de Sexualidade

Dentre as expressões saudáveis da sexualidade no ser humana uma das mais praticadas. A possibilidade da expressão sexual variada é um dos pilares que sustentam a

Psic. Oswaldo M. Rodrigues Jr.

saúde sexual preconizada pela Organização Mundial da Saúde[1] e da Associação Mundial para a Saúde Sexual[2].

As atividades de estímulo sexual usando a boca existem desde antes da história na espécie humana, o que já aponta uma importância na própria existência.

Na vida das pessoas o aprendizado das atividades sexuais ocorre desde o nascimento através de comportamentos sucessivos que se associem ao bem estar e prazer e à excitação sexual, em especial genital. Ao longo de mais de uma década iniciam os namoros e as aproximações que passam a ter cunho mais sexual, e um dos comportamentos que são desenvolvidos na aproximação sexual dos namoros é a oralização genital.

Aprende-se o sexo oral antes de aprender-se o sexo coital, de penetração. Assim mais pessoas aprendem, primeiro, a sentir prazer pelo sexo oral, mantendo esta forma de obter prazer por mais tempo na vida.

Pesquisas encontraram que a satisfação sexual da mulher se associa à frequência de orgasmos (Global Sexual Wellbeing Survey, 2007). As mulheres tem orgasmos mais facilmente sob estimulação oral do que com penetração, portanto o receber sexo oral é muito importante para a satisfação sexual das mulheres.

Metade de homens e mulheres praticam sexo oral, mas ao menos 5% das mulheres gostaria que o dar sexo oral fizesse parte da vida sexual e um pouco mais não recebe sexo oral a ponto de expectar que este ato fizesse parte do cotidiano sexual. (Global Sexual Wellbeing Survey, 2007[3]).

Se compararmos as mulheres que praticam e somarmos as que gostaria de praticar, ainda nos sobrarão cerca de 40% que não aponta o sexo oral como necessidade na vida sexual.

Algumas mulheres por considerarem que o sexo oral não é sexo propriamente dito, outras por razões religiosas evitam esta forma de expressão da sexualidade, e outras por questões pessoais e outras crenças individuais que as impedem de apreciar esta forma de prazer erótico.

Existem casais que não praticam sexo oral quando um dos dois não gosta da idéia de colocar o genital na boca. A justificativa é o gosto/sabor ou de que lembra algo sujo. Outros explicam-se por não ser algo “natural” ou que genital não é para se por na boca.

Em verdade estas pessoas tem crenças inadequadas e que não querem discutir, mas adaptam-se com parceiros que podem passar sem esta forma de estimulação sexual/erótica.

A cunilíngua, ato da boca estimulando a vulva, o genital externo da mulher, produz um contato sem agressividade ou altas pressões, se compararmos com as mãos e dedos. Isto faz com que a estimulação oro-genital seja mais leve e traga menos medos de que o genital se machuque. Muitas mulheres darão preferência pensando nestas explicações.

O que ocorre fortalecendo esta preferência é o fato de que o sexo oral é aprendido e traz prazer antes da possibilidade da penetração. O sexo oral aprendido antes do coito é associado com prazer mais fácil do que com o coito, momento em que menos mulheres conseguem obter orgasmos. Assim temo s preferência.

O homem imagina-se o condutor do prazer da mulher, responsável pela mulher ter a capacidade de obter satisfação sexual no relacionamento sexual. Isto coloca os homens na busca e exercícios de atividades que considerem conduzirão a mulher ao prazer orgásmico. Primeiramente o sexo oral, depois o coital.

Este equivocado poder é procurado em todos relacionamentos e aqueles em que a mulher não obtém orgasmo produz o afastamento do homem deste relacionamento.

Se pensarmos sob a ótica da capacidade sensorial, deveríamos apontar que a boca, os lábios são mais sensíveis, tem mais terminais nervosos do que o genital de modo geral. A capacidade de sentir é maior na boca. Isto em si seria justificativa para se utilizar o sexo oral como meio de buscar e obter prazer sexual.

O mecanismo de percepção é o que produz a transformação das sensações em algo positivo e neste caso com significado sexual. Este mecanismo mental é o que conta na oral do sexo oral, pois não basta a capacidade física de captar as sensações tanto na boca quanto nos genitais.

O sexo é oral é tão prazeroso para ambas as partes por ser uma das primeiras formas através das quais se obtém o orgasmo é uma das explicações. As primeiras formas sempre marcam muito e determinam padrões de busca de satisfação sexual na maior parte das pessoas.

Embora muitas pessoas não admitam a prática do sexo oral devido a valores pessoais e morais, ou baseados em segmentos religiosos, ainda assim esta é uma prática muito útil para casais se entrosarem e atingirem prazeres e dividirem emoções importantes além de expandir o tempo da atividade sexual, favorecendo a existência do prazer da casal.

Anúncios

Sobre Psic. Oswaldo M. Rodrigues Jr.

Psychologist and sex and couple´s therapist at Instituto Paulista de Sexualidade www.inpasex.com.br Psicólogo e Psicoterapeuta Sexual e decasais do Instituto Paulista de Sexualidade www.oswrod.psc.br
Esse post foi publicado em Desejo Sexual, Health and wellness. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s